Fios de Nylon |

Não é questão de querer, mas sim de poder ter estilo

Já cansei de ouvir gente falando que não segue os “padrões” das revistas ou da moda porque elas, as pessoas, têm estilo, personalidade e gosto próprio. Afirmam que vestem e usam o que bem entendem. Ok, muito bem então. Todo mundo tem o direito de se cobrir como quiser, de um jeito confortável, alinhado ou simplesmente sem noção alguma. Mas o que não dá para comprar nessa conversa é que: alguém com o mínimo de esclarecimento e senso estético também se coloque no meio disso.

Assim como operações matemáticas, a língua mãe, ciências e filosofia, as pessoas deveriam aprender nas escolas sobre noções básicas de estética. Quando digo estética não me refiro apenas a cosméticos ou tratamento de pele, mas sim de todo o conjunto visual e padrão corporal humano. Todos nós deveríamos saber equilibrar e combinar peças com acessórios no corpo de maneira que agregue algo positivo a imagem, saber reconhecer quando algo não lhe cai bem. Muito menos confundir personalidade forte com mentalidade fraca ao sustentar algo que está lhe desfavorecendo no momento.

Mas o que vemos muito por aí é uma explosão de mau gosto, combinações grotescas, gente querendo bancar algo que se percebe que ela está forçando muito a barra. Acredito sim que todos (as) temos o direito de escolher o que melhor nos cai bem, que não devemos nos prender em tendências passageiras, pois “a moda passa, mas o estilo permanece” (Chanel). Mas o que ainda não aprendemos é que neste universo de possibilidades, e cada vez mais heterogêneo, é que nem sempre podemos ter aquilo que queremos.

Vamos aprender a nos valorizar mais com aquilo que nos caiba, que realmente demonstre nossa personalidade e não ignorância, que reflita um sentimento e não nos faça sentir uma arara vazia de opções e racionalidade. Pois se somos aquilo que vestimos, então vamos tomar muito cuidado com aquilo que transmitimos. A imagem é tudo o que melhor temos para nos favorecer. As intenções, por melhores que sejam, não valem de nada quando o estrago já foi feito.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: