Fios de Nylon |

Resenha – pirei na loucura

Esta resenha contém Spoilers

Sem sombras de dúvida, este é o livro mais engraçado que li em toda minha vida. Como ter uma vida normal sendo louca é uma coletânea rara de um manual de comportamento que toda mulher deveria ler para rir das situações e de si mesma. Confesso que em várias passagens do livro eu me identifiquei com muitas das dicas, outras muitas já havia praticado no auge da loucura de minha adolescência e outras já pensei em cometer. Ou seja, são situações factíveis que merecem ser lidas com atenção e muita dose de bom humor.

Logo na capa as autoras Camila Frender e Jana Rosa mostram para o que vieram: “Como se livrar de pessoas chatas em aviões”, “Como dizer ao seu amigo que ele fede” e meu favorito, “Como parecer intelectual sem ser”. Mas a melhor parte fica com os agradecimentos das meninas para Glória Kalil, quem escreve o prefácio do livro, com um “Glória Kalil, você poderia ser só chic, mas também é maravilhosa”.

Acompanho a carreira das escritoras há bastante tempo para considera-las minha referência em literatura comportamental contemporânea. Jana um pouco rebelde, meio gótica e  encapetada com as palavras junto de sua amiga Camila Frender, tímida, modesta  e às vezes, mas só às vezes, irônica incorporam um senso de autocrítica com uma dose humor ácido e nos chocam com tanta sinceridade em seus relatos. Por quê sinceridade? Simplesmente porque nós meras mortais já fizemos ou pensamos em fazer tudo isso que está registrado neste livro. Medo!

Como ter uma vida normal sendo louca é o tipo deliro super fácil de ler e entender, possível acabar com ele em uma só sentada, como diria a minha avó. Só não recomendo que o leia em frente ao computador ou com seu smartphone em mãos, pois você pode ficar paranóica com as coisas descritas e tentada a executa-las. Por favor não!

Leia, releia, recomende para aquela amiga fitness que detesta sair com vocês dando a desculpa de que está de dieta, sendo que na verdade está em casa comendo uma panela de brigadeiro sozinha e mostre-a que ainda há vida após qualquer m*rda que aconteça na vida dela. Ups, acho que entrei no clima do livro (risos).

Brincadeiras a parte, recomendo esta deliciosa obra para quem não tem medo de se identificar com alguns (ou todos) ensinamentos, para quem gosta de uma boa comédia ácida sobre o comportamento feminino ou simplesmente se você não liga para nada disso que eu disse anteriormente. Leiam e tirem as suas conclusões!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: