Já ouviu falar na teoria das janelas?

Não, este texto não é sobre a velha máxima da sociologia que fala sobre a teoria das vidraças quebradas. Aqui abordarei uma reflexão mais sobre uma máxima que rodou a internet algum tempo, mas que hoje as pessoas não se lembram mais. Em síntese a fábula usa como artifício para se explicar o exemplo dos vidros da janela de uma certa casa, da qual a dona costuma olhar todos os dias por ela e ver que as roupas da outra vizinha estavam sempre estendidas no varal, porém sujas. Todos os dias era a mesma rotina: levantava, tomava seu café e olhava pra janela e via as roupas lá, sempre sujas. Certo dia, cansada e incomodada de tanto ver aquela situação a tal mulher decide abrir a janela e chamar sua vizinha para lhe informar que suas roupas lavadas na verdade estão sujas. Mas ao abrir a janela e apontar a vista novamente para o varal, ela percebe que as roupas sujas na verdade estão limpas.

Moral da história: se a mulher que estava incomodada com a “sujeira” das roupas no varal e se preocupasse em manter os vidros de sua janelas limpos, toda essa historia não precisaria ser contada. Ou talvez precisasse sim, porque tem pessoas que não conseguem compreender as sutilezas das metáforas e acabam pecando nos mesmos erros.

Esta fábula diz muito sobre o comportamento humano. Se as pessoas dedicassem a maior parte do tempo livre delas a si, as janelas não ficariam sujas, não veria coisas onde não há e não teríamos gente preocupada em cuidar da vida dos outros. Fico imaginando que o tempo que esta mulher perdia em julgar sua vizinha por suas roupas estarem sujas, ela perdera tanto tempo em sua vida que sequer conseguiu notar que na verdade eram os vidros de suas janelas que estavam sujos. Outra coisa: parece que temos uma capacidade fenomenal de nos preocuparmos e gastar mais energia com os problemas alheios que deixamos os nossos nos cegar e enganar todos os dias, isso quando admitimos que temos problemas, não é mesmo?

Jornalista, mineira de Belo Horizonte, 30 anos e apaixonada por cinema, livros, música e fotografia. Não sou de muita conversa, pois prefiro me expressar através de textos. Nascida na era da internet, blogo desde 2008. Para saber mais sobre minha história clique em Autora.

Deixe uma resposta