A tristeza necessária

Reflexo das alegrias e da tristeza

Eu nunca entendi gente que evita a tristeza. Nunca entrou na minha cabeça como fingir felicidade é melhor do que ser fiel ao momento que está sendo vivido. Sempre me considerei uma pessoa alegre. Quem me conhece me acha alegre. Quem convive comigo me acha alegre. Quem me vê de vez em quando me acha alegre. To sempre pronta pra fazer uma piada, levar tudo na brincadeira e sempre disposta a fazer todo mundo ao meu redor rir. Eu gosto disso, me faz bem ter essa alegria em mim e me faz ainda mais bem poder passar esse sentimento para os outros.

Ao mesmo tempo eu sou humana. Eu tenho minhas dores, meus momentos onde quero ficar sozinha, dias em que não consigo sorrir mesmo que eu queira. Tenho aquelas semanas onde me recolho e quero apenas pensar, tem as semanas em que não consigo fazer ninguém rir. Antes eu achava que isso era a pior coisa do mundo. Eu mascarava a minha tristeza e ficava vivendo uma mentira lá fora, mostrando uma felicidade falsa, e quando eu ficava sozinha doía ainda mais.

Agora eu aceitei que a vida é feita de varias emoções e que por mais que não sejam agradáveis, a tristeza, a dor e a raiva, fazem parte. A tristeza inclusive, pode ser o gás que você precisava para refletir sobre a sua vida e as suas escolhas. Quando você passa a aceitar a tristeza você aprende também a analisa o que está acontecendo à sua volta. Por que eu não tenho conseguido comer? Ou porque não estou dormindo bem? Ou talvez dormindo demais? Porque não consigo ver graça nas coisas que amo?

São nesses momentos que podemos mudar tanta coisa. Você pode colocar sua dor debaixo do microscópio e procurar entender o porque ela tem perdurado. O que eu posso fazer para voltar a sentir alegria genuína?
Eu, particularmente, acho melhor deixar a minha tristeza ser sentida e trabalhar para me sentir melhor aos poucos do que me pressionar. Do que sair lá fora com um sorriso estampado mas vazio. Eu prefiro que essa alegria seja sincera, que venha de um lugar onde eu possa sentir junto com ela uma paz interior de quem realmente passou por tudo que tinha que passar mas sobreviveu.

A alegria também pode advir da tristeza. Sentir não é pecado, não é errado. Sentir é necessário para que você possa aprender, amadurecer seus pensamentos, seu modo de lidar com os problemas e com a vida. Não mergulhe na tristeza mas também não a evite. Se ela chegar, deixe com que ela seja sentida na medida certa, mas sempre tendo a certeza de que o amanha chega, e pra que ele seja melhor, não depende de ninguém além de você.


ou simplesmente Nina é formada em Relações Públicas pela PUC Minas. Mineira de Sete Lagoas, mas atualmente vive nos EUA. Dona de um humor ácido e irônico também é um doce de pessoa. Temente à Deus, Nina também é apaixonada por futebol e carrega o Cruzeiro Esporte Clube no coração para aonde for. No blog ela colabora com crônicas pessoais que refletem seus valores e visão de vida.

3 thoughts on “A tristeza necessária

Deixe uma resposta