Café coado e passado na hora

Como preparo o meu café

Um dia desses estava no YouTube procurando receitas de como fazer o café perfeito. Achei dicas valiosíssimas vendo tantos videos e aprendi muito sobre café e os diversificados tipos de grãos. Porém a tal receita perfeita não encontrei. Talvez porque ela não exista mesmo ou talvez porque a receita perfeita está no modo em que cada um prepara o próprio café conforme o seu gosto. Eu por exemplo, gosto de um café mais encorpado, com baixo amargor, mas que deixe um sabor marcante na boa após toma-lo.

É muito complicado conseguir este tipo de resultado utilizando esses cafés tradicionais de supermercado. Já que tenho a convicção de que essas marcas que encontramos à varejo por aí não são grãos torrados e moídos, mas sim a própria folha do grão. Porque não sei vocês, mas a impressão que tenho é de beber folha de café queimada. Digo isto porque só quem já experimentou tomar café torrado, moído e passado na hora vai entender o que estou dizendo.

Mas foi tentando driblar estes contras que aprendi um método para deixar os pós de supermercado, pois é assim que vou chama-los, mais saborosos e fazer uma bebida mais agradável. Assim espero fazer uma bebida mais próxima dessas que tomamos em cafeterias. A receita que utilizo é referente a uma porção única da bebida que construi a partir destes valores:

Ingredientes e preparo do café

1 colher de sopa bem cheia de pó de café de supermercado;
1 xícara com 300ml de água filtrada e um coador de moletom;

Em um recipiente coloque a água para esquentar. Fique atento para que ela não ferva, apenas deixo começar o processo de ebulição quando surgem aquelas bolinhas no fundo do caneco e desligo. Deixe o café ser coado e pronto. Tenho uma bebida mais palatável. Não costumo adicionar nenhum tipo de adoçantes. Nem naturais como mel ou artificiais, pois cheguei a conclusão de que esses cafés de supermercado ficam melhores sem eles. Pois a adição de qualquer açúcar compromete o sabor e deixa o café com gosto de melaço.

Foi com a dica de utilizar a agua filtrada que notei a maior diferença. Como dizia o barista que preparou o café: o cloro presente na água da torneira afeta o sabor do café. Não vou dizer que ficou maravilhoso, mas pelo menos com esta receita eu consegui um sabor bem digno. Quando quero dar um toque diferenciado, costumo ralar um pouco de canela em pau na xícara. E não é que fica muito bom mesmo? O toque da canela melhorando inclusive o amargor profundo do pó, além de ser termogênico.

Conclusão sobre o meu modo de preparo de café

Agora estou em busca de conseguir fazer um leite vaporizado em casa, sem dispor de apetrechos como mixer ou cafeteira. Mas este assunto deixarei para um post posterior. Porque nele pretendo falar de uma receitinha de cappuccino caseiro. Além de mencionar outras beebidinhas que costumo fazer para substitui-lo. A medida que eu for experimentando bebidas feitas a base de café, porque sei que essas receitas sõ muito pesquisada.

Jornalista, mineira de Belo Horizonte, 30 anos e apaixonada por cinema, livros, música e fotografia. Não sou de muita conversa, pois prefiro me expressar através de textos. Nascida na era da internet, blogo desde 2008. Para saber mais sobre minha história clique em Autora.

Bolonana – A receita mais deliciosa de bolo de banana com canela

Hoje compartilho com vocês a receita mais fácil e gostosa de bolo para momentos em que falta inspiração e sobra vontade de comer algo diferente. Peguei esta receita de bolo de iogurte com minha mãe e dei uma incrementada nela: adicionei dois ingredientes que todo mundo tem em casa que é a banana e canela. Então vamos à receita:

  • 1 copo de iogurte natural sem sabor
  • 4 ovos
  • 1 xícara de óleo (neste caso eu uso o de girassol)
  • 2 xícaras de açúcar cristal

Bata bem estes ingredientes num liquidificador até que toda a massa esteja homogênea e acrescente:

  • 2 xícaras de farinha de trigo
  • 1 colher de sopa de fermento em pó

Novamente bata tudo no liquidificador até a farinha incorporar ao restante da massa. Uma dica importante é: após colocar a farinha e o fermento em pó, misture a farinha com uma colher antes de ligar o liquidificador. Já com a forma de bolo untada com um pouco de óleo (margarina) e farinha, pique e espalhe no fundo 2 bananas inteiras e quando terminar polvilhe um pouco de canela por cima da banana e despeje a massa do bolo sobre tudo.

Leve ao forno pré aquecido à 220 graus e deixe assar por pelo menos 40 minutos. Verifique se o bolo está no ponto espetando uma faca ou palito, se sairem limpos é só esperar o bolo esfriar para desenforma-lo. E aí temos um delicioso bolo de banana com canela. Que tal?

Jornalista, mineira de Belo Horizonte, 30 anos e apaixonada por cinema, livros, música e fotografia. Não sou de muita conversa, pois prefiro me expressar através de textos. Nascida na era da internet, blogo desde 2008. Para saber mais sobre minha história clique em Autora.

Permita-se aos pequenos prazeres da vida

Quando comecei a reeducar a minha alimentação em Janeiro do ano passado, eu tive em mente que queria duas coisas: uma saúde equilibrada e continuar comendo de tudo o que eu mais gosto, como doces e às vezes uma gordice de fast food. Ao conversar bastante com a endocrinologista, ela mesma me falou que dietas radicais, restritivas e que limitam o cardápio das pessoas dificilmente vão pra frente. A pessoa até consegue alcançar seu objetivo, mas manter aquela rotina alimentar torna-se insuportável a ponto de ser abandonada.

Lembro que ela me alertou sobre os perigos dessas dietas da moda: zero carboidrato, dieta da proteína, da lua etc. Segundo a médica o nosso organismo precisa de uma alimentação rica e balanceada em nutrientes, gorduras, sais, açúcares, vegetais, fibras e líquidos. Se você suprimi um desses nutrientes e passa a consumir apenas um deles, seu organismo irá reclamar, não imediatamente, mas gradativamente até que chegue a um ponto que ele entre em colapso.

Foi pensando nisso que decidi que em 2017 não adotarei nenhuma restrição alimentar radical. Ano passado fiz, sob supervisão da endócrino, uma dieta de uma semana com zero carboidrato. Foi bom? Não, Consegui ir até o fim? Não. Compensou? Não. Mudou algo em mim? Sim, meu organismo ficou tão fraco e sem energia que tive de suspender naquela semana minhas atividades físicas.

Hoje aprendi que compensar é a melhor forma de conseguir alinhar o desejo de comer as coisas que gosto sem afetar minha rotina de alimentação. Atualmente minha única extravagância são os doces e chocolates. Aprendi a dosagem de cada item que posso ingerir e substitui o fast food por uma forma de hambúrguer menos prejudicial. Em casa eu mesma preparo meu flanche. Pão integral, hambúrguer de frango, queijo minas, salada e um pouco de Katchup pra temperar. Calorico? Sim, mas pelo menos sei o que estou ingerindo e o que posso fazer depois para compensar as calorias extras adquiridas.

Mantive meu peso entre 71 e 73Kg e manequim 42 (coisa que nunca imaginei antes vestir). Não é o ideal ainda, mas pelo menos estou evitando o efeito sanfona. Aos poucos vou descobrindo formas de melhorar minha alimentação e assim atingir meu objetivo. Não choro, não sofro e muito menos deixo de fazer o que quero por conta de uma dieta. Não bebo já faz um ano, mas não porque não posso ou decidi parar, mas simplesmente porque não sinto vontade mesmo. Assim vou levando a vida com mais leveza e menos cobranças, porque devemos nos permitir sim aos pequenos prazeres da vida, porque até então, ela é uma só até que se provem o contrário!

Jornalista, mineira de Belo Horizonte, 30 anos e apaixonada por cinema, livros, música e fotografia. Não sou de muita conversa, pois prefiro me expressar através de textos. Nascida na era da internet, blogo desde 2008. Para saber mais sobre minha história clique em Autora.