Como preparo o meu café

Café coado e passado na hora

Um dia desses estava no YouTube procurando receitas de como fazer o café perfeito. Achei dicas valiosíssimas vendo tantos videos e aprendi muito sobre café e os diversificados tipos de grãos. Porém a tal receita perfeita não encontrei. Talvez porque ela não exista mesmo ou talvez porque a receita perfeita está no modo em que cada um prepara o próprio café conforme o seu gosto. Eu por exemplo, gosto de um café mais encorpado, com baixo amargor, mas que deixe um sabor marcante na boa após toma-lo.

É muito complicado conseguir este tipo de resultado utilizando esses cafés tradicionais de supermercado. Já que tenho a convicção de que essas marcas que encontramos à varejo por aí não são grãos torrados e moídos, mas sim a própria folha do grão. Porque não sei vocês, mas a impressão que tenho é de beber folha de café queimada. Digo isto porque só quem já experimentou tomar café torrado, moído e passado na hora vai entender o que estou dizendo.

Mas foi tentando driblar estes contras que aprendi um método para deixar os pós de supermercado, pois é assim que vou chama-los, mais saborosos e fazer uma bebida mais agradável. Assim espero fazer uma bebida mais próxima dessas que tomamos em cafeterias. A receita que utilizo é referente a uma porção única da bebida que construi a partir destes valores:

Ingredientes e preparo do café

1 colher de sopa bem cheia de pó de café de supermercado;
1 xícara com 300ml de água filtrada e um coador de moletom;

Em um recipiente coloque a água para esquentar. Fique atento para que ela não ferva, apenas deixo começar o processo de ebulição quando surgem aquelas bolinhas no fundo do caneco e desligo. Deixe o café ser coado e pronto. Tenho uma bebida mais palatável. Não costumo adicionar nenhum tipo de adoçantes. Nem naturais como mel ou artificiais, pois cheguei a conclusão de que esses cafés de supermercado ficam melhores sem eles. Pois a adição de qualquer açúcar compromete o sabor e deixa o café com gosto de melaço.

Foi com a dica de utilizar a agua filtrada que notei a maior diferença. Como dizia o barista que preparou o café: o cloro presente na água da torneira afeta o sabor do café. Não vou dizer que ficou maravilhoso, mas pelo menos com esta receita eu consegui um sabor bem digno. Quando quero dar um toque diferenciado, costumo ralar um pouco de canela em pau na xícara. E não é que fica muito bom mesmo? O toque da canela melhorando inclusive o amargor profundo do pó, além de ser termogênico.

Conclusão sobre o meu modo de preparo de café

Agora estou em busca de conseguir fazer um leite vaporizado em casa, sem dispor de apetrechos como mixer ou cafeteira. Mas este assunto deixarei para um post posterior. Porque nele pretendo falar de uma receitinha de cappuccino caseiro. Além de mencionar outras beebidinhas que costumo fazer para substitui-lo. A medida que eu for experimentando bebidas feitas a base de café, porque sei que essas receitas sõ muito pesquisada.

Jornalista, mineira de Belo Horizonte, 30 anos e apaixonada por cinema, livros, música e fotografia. Não sou de muita conversa, pois prefiro me expressar através de textos. Nascida na era da internet, blogo desde 2008. Para saber mais sobre minha história clique em Autora.

Book Haul de Maio

finalO mês de Maio foi um daqueles maravilhosos, pois estava algum tempo namorando livros bem caros e finalmente consegui tirar dois deles da minha lista de desejos na Amazon. Já mencionei em outra oportunidade aqui no blog que os Book Haul não são tão frequentes assim justamente por conta do valor dos livros. Eu fico esperando a melhor oportunidade para fazer grandes compras, e a da vez veio com uma super promoção de 20% de desconto que a Amazon ofereceu em qualquer livro da Cosac Nayf.

Entre muitas outras coisas, Maio foi definitivamnte o mês da poesia para mim. Além da aquisição do best seller de Rupi KaurOutros jeitos de usar a boca – estou conseguindo manter minha meta de em toda compra adquirir pelo menos um exemplar de um clássico da poesia brasileira, e o de Maio foi o de Cecília MeirelesMar absoluto e outros contos – que segundo minha mãe que também ama poesia e Cecília, lembra minha avó.

Outra aquisição de peso, cara e maravilhosa foi a coletânea de contos de Edgar Allan Poe  da editora Dark Side Books, que como todos já devem saber é conhecida por suas publicações de terror e ficção científica. Além de arrasar no capricho das edições. Esta do Poe por exemplo, além de ter uma capa dígna de uma bíblia dos contos de terror, possui comentários das principais obras do autor e duas versões traduzidas de seu conto mais famoso O Corvo, que foram feitas por Machado de Assis e Fernando Pessoa, além da versão original é claro. Como não amar isso?

Um livro que me deixou bastante curiosa foi o Ovelha Negra e outras fábulasAugusto Monterroso – que apesar de bem fininho, contem mais de dez fábulas que eu jamais ouvira falar antes, a não ser a expressão de ovelha negra, mas só de nome apenas. Por fim, outro queridinho que estava há bastante tempo em minha lista de desejos é o Ligeiramente fora de focoRobert Capa – que foi o livro responsável por todas as compras anteriores, já que aproveitei a promo de 20% na Amazon nos livros da Cosac Nayf. Todos os livros mencionados neste book haul e nos demais serão resenhados aqui. Se você tiver alguma sugestão de livros de novos poetas brasileiros ou estrangeiros, por favor deixe nos comentários que eu vou adorar conhecer a nova safra de escritores da nossa geração!

Jornalista, mineira de Belo Horizonte, 30 anos e apaixonada por cinema, livros, música e fotografia. Não sou de muita conversa, pois prefiro me expressar através de textos. Nascida na era da internet, blogo desde 2008. Para saber mais sobre minha história clique em Autora.

Vou dar um tempo de mim

Sabe aqueles dias que você acorda de saco cheio de tudo, inclusive de você mesma? Pois é, hoje é um desses dias. Na noite passada tive um sonho estranho, em que pessoas desconhecidas vinham me falar sobre todo o tipo de assunto, mas sempre com o propósito de falarem como devo fazer as coisas. Tudo bem não fazer o menor sentido isto que acabo de dizer, mas os sonhos não são assim? Sem pé nem cabeça na maioria das vezes? Isto só serviu para me deixar ainda mais cansada de tudo o que acontece em minha volta.

Quando digo que estou cansada de mim, quero dizer que não aguento mais fazer as coisas conforme são esperadas. Sim, há dias em que eu definitivamente tenho uma vontade louca de sair por ai sem dar satisfação a ninguém, comer todas as besteiras que tenho vontade e sem medo de ser julgada ou mesmo de não fazer nada disso, apenas ficar encolhida na cama de pijamas lendo um livro. São nestes momentos que costumo parar e refletir sobre a vida, as coisas que conquistei e as que ainda almejo. São nestes momentos em que costumo traçar um rumo para minha vida e planejar as metas do futuro.

Então, antes que alguém pense ou me pergunte, não, isto não é uma coisa ruim. Pelo menos não do meu ponto de vista. Melhor ter este tempo ocioso para você colocar os pensamentos e sua vida em ordem do que tomar decisões difíceis e que mudarão para sempre sua vida drasticamente de supetão. Por isso, se dê um tempo de vez em quando, pare para analisar friamente sua situação, as coisas que lhe incomodam e planejar novas metas para sua vida. Porque antes de sair faxinando a casa, primeiro você deve arrumar as mobílias e jogar fora tudo o que já não faz parte da sua história, certo? Então vamos nos dar um tempo e pensar melhor nas coisas com a cabeça mais fresquinha!

Jornalista, mineira de Belo Horizonte, 30 anos e apaixonada por cinema, livros, música e fotografia. Não sou de muita conversa, pois prefiro me expressar através de textos. Nascida na era da internet, blogo desde 2008. Para saber mais sobre minha história clique em Autora.