Organização para realizar fichamento de TCC

Dicas para se fazer um bom fichamento

Na graduação temos cerca de um ano e meio para concluir o TCC, começando lá pelo sexto período e finalizando na banca do oitavo. Mas a questão é: por que algumas pessoas conseguem entregar seus trabalhos fechadinho neste período de um ano e meio e muitas outras têm tanta dificuldade para fazê-lo? Porque elas não sabem se organizar, só isso. A seguir darei dicas valiosas de como você deve proceder com a construção do seu trabalho de conclusão de curso utilizando como base o fichamento.

Comprometimento com seu fichamento

Entenda que, gerenciar o seu tempo é preciso. Se você trabalha e estuda irá dispor dos fins de semanas, suas folgas e feriados para fazer estas tarefas. Otimize seu tempo para ler, resenhar, fazer fichamento e escrever. Mas se você se dedica apenas aos estudos, poderá organizar seu tempo da melhor forma que lhe convier, certo? Por isto, tenha em mente que para encurtar o trabalho que você terá ao escrever o texto final do TCC, você deverá dar tudo de si nos fichamentos. Sim, estes textos aparentemente que só servem para seu orientador ver que você leu o que ele lhe sugeriu. É ai que está o pulo do gato. Um fichamento bem escrito não só pode como deve ser indexado no corpo do texto do seu trabalho.

Ferramentas necessárias

O caderno de anotações, grifos nos xerox que você possui e notas de rodapé que os livros mais antigos possuem. Uma dica valiosa que posso dar é fazer a famosa leitura dinâmica. Com a quantidade de xerox, artigos e livros que você precisa ler para tirar citações é tão grande que, se você for aprofundar a leitura, não acabará o texto no prazo. Os artigos são ótimos para auxilia-lo num tema que você não domina bem, que quando pegar um livro sobre, você já terá conhecimento suficiente que a leitura dinâmica você tirará de letra. Um local ótimo para pesquisar artigos e textos científicos é no Google Acadêmico.

Não limite suas fontes somente em artigos. Para isto outra dica valiosíssima que posso oferecer é de você usar e abusar do Google Books. A biblioteca do Google conta com milhões de livros licenciados para uso e pesquisa acadêmica. Com domingo público e o melhor, totalmente gratuito. Mesmo aqueles livros que ainda não estão em domínio público e que você precisa pagar para ter acesso ao conteúdo, existem trechos de capítulos das obras que você pode ler como forma de degustação. Eu utilizei muito deste artifício, já que muitas vezes os livros em questão estavam fora do estoque das livrarias sugeridas pelo próprio Google. Este recursos evita que você gaste dinheiro desnecessário com livros que não lerá por completo.

Leve a sério seu fichamento

Não se esqueça de que seu fichamento é parte fundamental do seu TCC. Por isto é de extrema importância você já formata-lo nas normas da ABNT. Lembrando que o texto já conterá as citações dos artigos e livros lidos por você. Isto claro, respeitando o limite de laudas que seu orientador solicitou. Após verificar que está tudo certo com seu fichamento é a hora de revisa-lo. Uma vez que ele fará parte do corpo do seu texto final. Seu fichamento precisa estar impecavelmente bem escrito. A medida que você for fazendo os resumos, você verá que uma monografia não é esse bicho de sete cabeças. A regra básica de uma boa construção de um fichamento e monografia é a organização. E para fazê-la você precisará de um bom cronograma.

Quem realmente leva à sério o fichamento sabe: ter um cronograma é essencial para o sucesso do trabalho. Neste cronograma você estabelecrá quais livros, artigos ou textos vai ler para escrever. Determine quais os dias isto será feito e assim saberá quanto tempo levará para concluir a primeira parte do projeto. Lembre-se, um fichamento bem escrito não só te economiza tempo, mas torna o processo da produção do TCC menos trabalhosa. Portanto, jamais ignore aquela ficha de preenchimento de suas tarefas que você recebe sempre no inicio do semestre. Este modelo de organização salvará seu TCC de complicações como prazos de entrega estourados.

Jornalista, mineira de Belo Horizonte, 30 anos e apaixonada por cinema, livros, música e fotografia. Não sou de muita conversa, pois prefiro me expressar através de textos. Nascida na era da internet, blogo desde 2008. Para saber mais sobre minha história clique em Autora.
Cuidados que você deve ter com seu cão de estimação

Cuidados que você deve ter com seu cão

Cuidados que você deve ter com seu cão são dicas básicas que aplico aqui em casa. Ter um animal de estimação não é para quem quer, mas sim para quem pode. Infelizmente muitas pessoas não entendem isto e mesmo assim insistem em ter alguém da qual não podem cuidar. Não sou contra a compra de animais de raça, mas faço questão de frisar que, só aprovo quando o animal é adquirido por um canil responsável e que obedece as regras sanitárias e de cuidados com os bichinhos. que não visam a reprodução canina apenas como uma forma de ganhar dinheiro. Mas também sou uma das defensoras de que adotar um bichinho é a melhor coisa que existe. Aqui em casa temos uma vinda da ONG Cão Viver, que resgata animais abandonados, cuida e disponibiliza para adoção responsável.

Aqui em casa seguimos à risca uma regra bem simples. As funções são bem distribuídas como, meus pais ficam encarregados da parte financeira que é a comida deles e das despesas médicas. Eu fico com a parte da higiene, cuidados médicos quando necessário e de entrete-los. Isto tem funcionado tão bem que, gostaria de compartilhar um pouco do meu aprendizado cuidado de cães há pelo menos uns 15 anos de minha vida?

1- Alimentação do cão

Muita gente acredita que a ração mais cara e de marca famosa é sempre a melhor para nossos amiguinhos peludos. Nem sempre viu. Já conversei com vários veterinários e neste quesito eles são unânimes: a melhor ração para o seu animal é aquela que contem menor teor de sódio, carnes e corantes. Isto mesmo, aquelas rações coloridinhas ou mesmo em formato de meia lua de cor avermelhada devem ser evitadas por conta dos ingredientes anteriormente citados.

O melhor e mais eficiente modo que encontrei para oferecer uma ração de qualidade para os cães aqui em casa foi experimentando mesmo. Foram anos tentando até que uma determinada marca fosse de agrado de todos e que não causasse alergias ao nosso Labrador. Pois já aconteceu de algumas rações não agradarem nenhum deles, agrada a um e não a outro, causar reações no labrador e na nossa vira-lata ser inofensiva e vice versa. É um trabalho que precisa de paciência, e neste caso a dica que posso dar é: em período de adaptação ao alimento, compre porções pequenas e deixe o animal experimentar por um tempo. Se ele não comer ou causar algum desconforto, troque de ração.

2- Higiene

Aqui em casa todo fim de semana tem banho para os três, sem excessão. Durante o verão é uma alegria, agua gelada no calor de 40 graus é um alivio com certeza, mas em épocas frias como esta, o jeito é só banha-los quando temos uma brecha para o calor, pois eu não tenho coragem de enfia-los debaixo da água gelada em dias de temperaturas de 20 graus com sol super fraco. Aproveito essas épocas para intensificar a higiene do local onde eles dormem e passam a maior parte do dia.

Semanalmente e religiosamente lavo os paninhos de dormir deles para evitar acumulo de sujeira, pulgas ou carrapatos. Manter o local sempre limpo evita a proliferação de fungos e bactérias que possam causar algum dano a saúde deles. Borrifo um remédio antipulgas e carrapatos na casinha deles, em toda área externa de casa e nas roupinhas de cama deles. Produto manter o local sempre arejado e livre de acumulo de folhas e pelos que caem deles, para não virar chamariz de mosquitos oportunistas como o palha, que transmite a leishmaniose. Eu escovo os dentes dos meus cães com pasta dental própria para eles e limpo as orelhas com uma flanela que lavo bem após sua utilização.

3- Lazer e rotina do cão

A diversão aqui em casa tem sido liberar nossos bichinhos periodicamente no jardim para que possam correr, se esfregarem na grama, correrem atrás de pássaros e mosquitos – eles amam isso – e brincarem entre si. Animal feliz é animal em contato com a natureza, por isso as pessoas que não podem desfrutar de um quintal grande e gramado em casa devem sair para passear com os seus em locais como praças e parques para que eles tenham esse momento de descontração. Claro que eles amam aqueles brinquedinhos improvisados que a gente faz e brinca com eles em casa, mas o contato com a terra e grama são essenciais para eles. Nota-se nas esfregadas estagiastes que eles fazem quando estão soltos em lugares assim.

4- Saúde

Nem preciso dizer que o cartão de vacinação do animal precisa estar em dia, certo? Assim como nós seres humanos, nossos cães também possuem um ciclo de imunização de doenças que podem ser extremamente contagiosa entre eles e para nós, como a raiva e a leishmaniose (esta segunda ainda não há comprovações de que a vacina seja totalmente eficaz na prevenção, por isso seguir rigorosamente as dicas do item 2 é muito importante na prevenção da doença). O mais importante que você deve fazer pelo seu cãozinho é conhece-lo bem, pois assim você pode observar comportamentos anormais nele e identificar possíveis traumas ou doenças em seu estágio inicial. Isto ajuda muito na hora do tratamento do bichinho, porque além de um diagnóstico precoce ter mais chances de cura, o tratamento será mais curto e menos caro.

5- Respeite o espaço dele

Sim, os peludos também tem seus dias de “ovo virado” e precisam de um espaço para que possam fazer seus vários nadas, pensar em suas vidas e ficar um pouco distante de seus donos. isso é bastante comum, principalmente em cães mais velhos. Aqui em casa vejo isto no Labrador, que em seus dias menos indicadores nem vem pedir carinho ou abanar o rabo quando o chamo, normal. Mas desde que este hábito não se torne corriqueiro, tipo todos os dias ou constantemente, você deve deixa-lo curtindo o espaço dele e apenas afaga-lo para dizer que está ali caso ele precise (apesar dele já saber disso). Normalmente este momento de introspecção não costuma durar muito tempo, na verdade ocorre entre os momentos de cochilo do meu cão. Acho natural, já que eu assim como ele não costumo ser receptiva e pronta pra brincar com todo mundo logo quando acordo.

Estas são as minhas dicas práticas que quero compartilhar com você que tem um cachorrinho de estimação. Animais não são brinquedos e muito menos acessórios, que quando a gente enjoa pega e descarta. Se você não consegue cuidar bem de um, não crie, pois maus tratos e crueldade contra os animais é crime. Caso queira mais informações sobre cuidados com cães de estimação, posso indicar este artigo do Portal do Dog sobre cuidados com cachorros durante o inverno.

Jornalista, mineira de Belo Horizonte, 30 anos e apaixonada por cinema, livros, música e fotografia. Não sou de muita conversa, pois prefiro me expressar através de textos. Nascida na era da internet, blogo desde 2008. Para saber mais sobre minha história clique em Autora.

6 on 6 – Junho 2017

6 on 6 ou 3 on 3 são aqueles tipos de posts que eu amo fazer, apesar de não te-los realizado com a freqüência que gostaria aqui no blog, pois reune em um só lugar tudo o que mais amo: fotografia e coisas inspiradoras que fazem do meu dia algo melhor e mais leve. Para esta edição especial, do qual fui desafiada pelas meninas do Projeto Vai um Café em postar aqui seis “Objetos favoritos da minha casa”. Como o meu universo particular se restringe ao meu quarto, QG oficial do Fios de Nylon, selecionei meus objetos mais importantes e que significam muito pra mim que são:

 ♦ Souvenir do Rio de Janeiro

 

A imagem que usei de destaque é um souvenir desses comuns que compramos em viagens, do tipo bem comum mesmo sabe? Para mim este souvenir é muito mais que um adereço de viagem. Ele me lembra, toda vez que o olho, uma superação importante de eu fazer as minhas malas e viajar SOZINHA para um destino. Pode parecer bobo para muitos, mas até aquele momento eu sequer conseguia ir sozinha ao centro de BH sem ser tomada pelo pavor de ficar perdida por lá e não conseguir voltar pra casa, porque nem pedir informação eu conseguia pedir. Ir para o Rio sozinha e ficar lá  por conta própria foi meu maior desafio que ocorreu em 2015. Foi lindo!

♢ Florzinha

 

Um dos meus desenhos animados favoritos, As Meninas Super Poderosas, a Florzinha  sem dúvidas é a minha favorita. Com um estilo meio a meio das outras duas irmãs (um pouco rebelde, agressiva e doce ao mesmo tempo) sua personalidade refletia muito a minha na época de criança e ainda um pouco até hoje. Além dela ser a ruivinha mais fofa e simpática de todos os desenhos animados.

♦ Torre Eiffel

 

Mas nem todos os objetos têm uma história tão excepcional assim. Este por um lado representa a minha meta de vida que é ir a Paris e fazer um roteiro voltado exclusivamente à cultura: cafés, livrarias e museus. Um dia chego lá, com certeza.

  ♦ Bibelô de porcelana

 

Este bibelô eu só consegui pique infernizei tanto minha mãe para me dá-lo, que a acabei vencendo pelo cansaço. Mas ele além de ser um ótimo apoio de fotografia, serve para guardar minhas joias de verdade: um anel de ouro que ganhei com 15 anos e um anel de ouro branco que também importunei minha mãe para me “emprestá-lo” por tempo indefinido. Vocês entenderam o sentido de tudo isso né?

Mini livros Peanuts

 

Meu quarto costuma ser uma bagunça bem organizada, de tal forma que eu me encontro nela. Os mini livros The Peanuts Philosophers agora cumpre o papel de decoração em uma de minhas pilhas de livros que ficam espalhadas pelo quarto (já que estante para armazena-los não existe ainda). É o meu xodó estes livrinhos, já que sou uma entusiasta do Snoopy e sua turma.

Bailarina Flamenca

 

Esta é La Dama Joja, a bailarina flamenca que minha mãe trouxe de viagem da Europa. Claro que assim como as outras coisas que eram dela eu fiz aquele apelo emocional choroso do qual ela acabou cedendo ou eu não pararia de encher a paciência dela. Este souvenir de viagem me dá uma sensação de liberdade que eu não consigo explicar e que também é outro objetivo de vida: conhecer a Espanha.

Como podem ver, cada coisinha dessas têm um significado bem especial para mim. Pode não parecer grande coisa para quem lê isto, mas é muito importante para mim, tanto que os trato com muito cuidado e carinho.


Jornalista, mineira de Belo Horizonte, 30 anos e apaixonada por cinema, livros, música e fotografia. Não sou de muita conversa, pois prefiro me expressar através de textos. Nascida na era da internet, blogo desde 2008. Para saber mais sobre minha história clique em Autora.