Café coado e passado na hora

Como preparo o meu café

Um dia desses estava no YouTube procurando receitas de como fazer o café perfeito. Achei dicas valiosíssimas vendo tantos videos e aprendi muito sobre café e os diversificados tipos de grãos. Porém a tal receita perfeita não encontrei. Talvez porque ela não exista mesmo ou talvez porque a receita perfeita está no modo em que cada um prepara o próprio café conforme o seu gosto. Eu por exemplo, gosto de um café mais encorpado, com baixo amargor, mas que deixe um sabor marcante na boa após toma-lo.

É muito complicado conseguir este tipo de resultado utilizando esses cafés tradicionais de supermercado. Já que tenho a convicção de que essas marcas que encontramos à varejo por aí não são grãos torrados e moídos, mas sim a própria folha do grão. Porque não sei vocês, mas a impressão que tenho é de beber folha de café queimada. Digo isto porque só quem já experimentou tomar café torrado, moído e passado na hora vai entender o que estou dizendo.

Mas foi tentando driblar estes contras que aprendi um método para deixar os pós de supermercado, pois é assim que vou chama-los, mais saborosos e fazer uma bebida mais agradável. Assim espero fazer uma bebida mais próxima dessas que tomamos em cafeterias. A receita que utilizo é referente a uma porção única da bebida que construi a partir destes valores:

Ingredientes e preparo do café

1 colher de sopa bem cheia de pó de café de supermercado;
1 xícara com 300ml de água filtrada e um coador de moletom;

Em um recipiente coloque a água para esquentar. Fique atento para que ela não ferva, apenas deixo começar o processo de ebulição quando surgem aquelas bolinhas no fundo do caneco e desligo. Deixe o café ser coado e pronto. Tenho uma bebida mais palatável. Não costumo adicionar nenhum tipo de adoçantes. Nem naturais como mel ou artificiais, pois cheguei a conclusão de que esses cafés de supermercado ficam melhores sem eles. Pois a adição de qualquer açúcar compromete o sabor e deixa o café com gosto de melaço.

Foi com a dica de utilizar a agua filtrada que notei a maior diferença. Como dizia o barista que preparou o café: o cloro presente na água da torneira afeta o sabor do café. Não vou dizer que ficou maravilhoso, mas pelo menos com esta receita eu consegui um sabor bem digno. Quando quero dar um toque diferenciado, costumo ralar um pouco de canela em pau na xícara. E não é que fica muito bom mesmo? O toque da canela melhorando inclusive o amargor profundo do pó, além de ser termogênico.

Conclusão sobre o meu modo de preparo de café

Agora estou em busca de conseguir fazer um leite vaporizado em casa, sem dispor de apetrechos como mixer ou cafeteira. Mas este assunto deixarei para um post posterior. Porque nele pretendo falar de uma receitinha de cappuccino caseiro. Além de mencionar outras beebidinhas que costumo fazer para substitui-lo. A medida que eu for experimentando bebidas feitas a base de café, porque sei que essas receitas sõ muito pesquisada.

Jornalista, mineira de Belo Horizonte, 30 anos e apaixonada por cinema, livros, música e fotografia. Não sou de muita conversa, pois prefiro me expressar através de textos. Nascida na era da internet, blogo desde 2008. Para saber mais sobre minha história clique em Autora.

Comida “Di Inverno” – O melhor bolinho frito do mundo

Sabe aquele resto de arroz que fica ocupando espaço na geladeira e você não quer – e também não deve – jogar fora? Eu tenho uma solução simples e prática para este “problema”. Uma receita simples e descomplicada de bolinho frito de arroz. Com poucos ingredientes que você tem em casa e um pouco de criatividade, por quê não, você consegue fazer um prato super saboroso, elaborado e barato com o que você chamaria de “resto de comida”.

Não existe uma medida exata para esta receita, já que usei porções diferentes em todas as vezes que fiz estes bolinhos, mas posso dar umas dicas básicas de como chegar à consistência da massa para fritar. Então vamos lá:

  • Sobras de arroz;
  • Tempero verde (salsinha, cebolinha ou manjericão);
  • Farinha de trigo;
  • Ovo de galinha;
  • Sal a gosto;
  • Pimenta do reino a gosto;

bolinho1

Pegue um processador ou liquidificador e triture todo o arroz que você deseja fazer. Pegue o tempero verde e vá acrescentando com cada porção de arroz que você for triturando, assim ele se mesclará com mais facilidade ao alimento. A dica para que o arroz fique bem batido é você tritura-lo aos poucos. Em seguida, depois de ter processado todo o arroz adicione aos poucos duas colheres de farinha de trigo – lembrando de peneira-la na hora de adicionar – com o sal junto, isso ajudará o condimento a ser melhor distribuído. Adicione o ovo de galinha e a partir de agora literalmente enfie a mão na massa. Mexa com as mãos bem a nossa mistura e vá sentindo o ponto dela. No início ela grudará na mão, mas a medida que for adicionando a farinha de trigo, ela pegará ainda mais consistência. O ponto exato dela é quando você puxa a massa para fazer as bolinhas e ela não gruda em sua mão.

Depois de chegar ao ponto é só enrolar as bolinhas, fritar e servir. Se você quiser adicionar um toque ainda mais saboroso à massa, pode colocar no meio do bolinho pequenos cubos de queijo minas. Estes bolinhos além de saborosos podem muito bem substituir o tradicional arroz de panela, já que o ingrediente principal é o arroz, certo? Espero que tenham gostado de mais esta receita. Deixem nos comentários o que acharam e se você tem uma forma diferente de fazer e nos conte tudo aqui!

bolinho2

Jornalista, mineira de Belo Horizonte, 30 anos e apaixonada por cinema, livros, música e fotografia. Não sou de muita conversa, pois prefiro me expressar através de textos. Nascida na era da internet, blogo desde 2008. Para saber mais sobre minha história clique em Autora.

Comida “Di Inverno” – Que beijinho doce

Nesta receita ensinarei às novas donas de casa a fazerem um dos doces mais famosos que temos: o beijinho ou como também é conhecido por doce de leite ninho. Esta é uma dessas receitas que não é preciso ser levada ao forno e pode ser adaptada de duas formas: a primeira para uma versão bem açucarada e a segunda um pouco menos. Vamos aos ingredientes:

Opção 1

  • Uma lata de leite ninho de 400g
  • Uma lata ou caixa de leite condensado de 395g
  • Açúcar de confeiteiro

Preparo: a proporção dos ingredientes são em xícara. Adicione em uma vasilha 2 xícaras de leite ninho, toda a lata de leite condensado e 1 xícara de açúcar. Mexa com uma colher até que todos os ingredientes estejam misturados. Continue misturando, só que agora com as mãos até que forme uma massa homogênea.

Em um recipiente reserve um pouco do leite ninho em pó, em seguida pegue a quantidade que deseja enrolar, faça uma bola e finalize polvilhando o doce no recipiente com o leite ninho reservado e pronto. Faça o mesmo com toda a massa e leve à geladeira para firmar.

beijinho

Opção 2

  • Uma lata de leite ninho de 400g
  • Uma lata de leite condensado de 395g
  • Côco ralado ou em flocos (opcional)

Preparo: Com uma peneira adicione e peneire 3 xícaras de leite ninho e adicione a caixa/lata de leite condensado e misture até que a massa fique homogênea. Reserve em um prato o côco ralado ou em flocos, e à medida que for enrolando o doce vá selando com o côco, que pode ser opcional ou você pode polvilhar com o próprio leite ninho como na receita anterior.

Lembrando que esta segunda versão tem como objetivo deixar o quitute ainda menos doce, uma vez que o próprio leite condensado já possui açúcar, optei em retirá-lo da receita e fazer com estes dois ingredientes apenas. Mas tem um porém: esta versão da receita faz com que o beijinho fique mais puxento, ou seja, ele grudará mais no céu da boca e nos dentes com maior facilidade, mas o sabor é igual ou melhor que o da receita anterior.

beijinho2

Espero que tenham gostado desta receita e podem apostar que trarei mais gostosuras fáceis de fazer para que vocês possam fazer em casa!

Jornalista, mineira de Belo Horizonte, 30 anos e apaixonada por cinema, livros, música e fotografia. Não sou de muita conversa, pois prefiro me expressar através de textos. Nascida na era da internet, blogo desde 2008. Para saber mais sobre minha história clique em Autora.