Quando decidi me organizar

No ano passado coloquei como meta a ser alcançada este ano em diminuir meus gastos. Isto me ocorreu depois de realizar uma compra grande que foi meu iMac. Com o orçamento apertado por conta desta aquisição, reorganizei meus gastos, cortei meus cartões de crédito e hoje estou operando apenas com débito. Na necessidade de fazer compras internacionais, não as farei por enquanto, cancelei todos os meus serviços contratados e pagos pelo cartão de crédito e não faço mais, há quase um ano, compras no exterior.

Estas medidas serviram para dar um gás financeiro e ajudar a me controlar. outro item importante nessa jornada foi minha agenda diária, que me ajuda muito a me organizar e meus pequenos caderninhos de bolso que destino única e exclusivamente a anotar meus gastos, recebimentos e pagamentos pendentes.

Dessa forma consigo visualizar tudo o que tenho, gasto e quando não posso mais. Eliminar os cartões de crédito foi uma medida extrema que usei para reaprender a adquirir somente o que o meu dinheiro fisico pode comprar. Pois é muito fácil parcelar de duas, três ou dez vezes sem saber se no futuro teremos mesmo o dinheiro para cobrir aquele gasto. Com o débito funciona assim: ou você tem ou não, e nem adianta cair na tentação, se não tiver o $ lá na conta, você vai continuar só na vontade mesmo.

Listas e mais listas

Depois que cancelei os cartões pude perceber o quanto de bobagem a gente gasta no dia a dia. Coisas das quais eu fico me perguntando se eu estivesse economizando dinheiro eu realmente compraria. Outro fator que está me ajudando bastante nessa freada do consumo são as famosas check-lists. Padronizei em minha agenda uma lista que baseia-se em dois tópicos: quero e preciso.

Com isso posso pesar se o que quero eu realmente preciso e se o que eu preciso é realmente urgente. Isso você só vai entender quando entrar numa loja ou mercado e perceber que não dá para sair de casa sem uma lista pronta, pois as tentações são enormes e gastar com bobagem não custa, quero dizer, custa caro!

Depois que passei a frear minhas compras mais um ponto positivo se revelou em minha vida. Se antes eu gostava de comprar maquiagens caras e roupas de marca, hoje percebo que as lojas de departamento e produtos nacionais de farmácia têm muito mais a me oferecer do que os itens caros que eu costumava comprar.

Como eu sempre digo para minhas amigas: estou numa vibe muito baratinha mesmo. Este tipo de consciência a gente só adquire mesmo depois de muita experiência de vida. Aprendemos a entender o que precisamos, sabemos o que queremos e o mais importante é que conhecemos mais nossas rotinas e necessidades.

Anotar tudo é o mais importante

Como o subtítulo já diz: anote tudo o que sair de sua conta/carteira, no final do mês evita que você se assuste com os preços das coisas e acabe esquecendo onde gastou. Outro ponto crítico nessa história são os preços das coisas. Supermercado, farmácia, restaurante, nada, absolutamente nada está barato neste país. Por isso a dica de ouro continua sendo a intensiva pesquisa.

Desperdício zero

E por último a lição mais importante de todas: nada se desperdiça ou é jogado fora neste processo. Comida, bebida, roupas, acessórios e principalmente eletrônicos. A ordem é usar até que não haja mais possibilidade a vida útil do objeto se for. Uma coisa que tem funcionado bastante com minhas amigas é a troca.

Quando temos objetos que não queremos, nós trocamos umas com as outras o que elas também desejam desapegar. Assim ninguém fica no prejuízo por ter de jogar algo tecnicamente novo fora e economizamos neste processo tão caro que está a vida ultimamente. Espero que minha saga de detox de consumo possa servir de estímulo e inspiração ã outras pessoas que desejam economizar em 2016.

O ano promete não ser fácil, então melhor contar cada centavos antes de gasto-lo por ai.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: