Resenha – Esponja facial Belliz

Esponja facial Belliz

Nestes últimos tempos tenho me dedicado bastante em conhecer novos produtos. Tento também testá-los para resenhar minhas impressões por aqui, de forma que nada do que resenho é pago. A minha última empreitada foi finalmente me “render” aos “apelos” das gurus de maquiagem que sempre falaram maravilhas deste produto. A famosa esponja para maquiagem que promete mudar e revolucionar sua vida para sempre. Neste caso decidi comprar uma marca bem acessível. Destas que a gente encontra em farmácias mesmo. A eleita da vez foi a esponja facial Belliz.

Sempre fui muito resistente em utilizar esponjas durante a preparação de pele. Vários motivos incluindo a higienização e o fato dela absorver produto demais. Bom, já vou logo avisando que minhas primeiras impressões não foram nada boas.

A começar pelo fato de que ela me custou um valor de R$26 reais. Algo que considero um valor alto para um produto feito basicamente de polímero. Além do que, sua manutenção requer um cuidados específicos. Esponjas, ao contrário dos pincéis, devem ser lavadas a cada uso. Foi exatamente o que fiz. Porém, na primeira lavagem a minha esponja já se desfez em sua base. Não sei se é algo que acontece apenas com marcas baratas, se foi só comigo ou se este lote está com defeito. Fato é: ao utilizar sabão líquido neutro mais água fria tiraram um pedaço da minha esponja NOVINHA.

O único lado positivo que vi em ter utilizado esta esponja na maquiagem é que ela realmente deixa um acabamento mais leve. Senti que ao aplicá-los com a esponja umedecida, a pele ficou com um aspecto natural.

Esponja facial Belliz o que achei

Minha conclusão sobre este produto, pelo menos a esponja facial Belliz é que eu não pretendo comprá-lo novamente. Não desta marca. Não digo que nunca mais usarei ou experimentarei outro produto. Mas prefiro continuar com o meu bom e velho pincel e dedos. Me arrependo profundamente de ter investido todo meu dinheiro nesta esponja. Pois na verdade eu queria mesmo era ter levado um pincel de escova para testar. Enfim, aqui fica minha experiência com esta esponja facial da Belliz e um incrível sentimento de dinheiro jogado no lixo.

Jornalista, mineira de Belo Horizonte, 30 anos e apaixonada por cinema, livros, música e fotografia. Não sou de muita conversa, pois prefiro me expressar através de textos. Nascida na era da internet, blogo desde 2008. Para saber mais sobre minha história clique em Autora.

Sobre a superficialidade da beleza física

Beleza física é bom sim, agrada aos olhos, mas eventualmente acaba. Pra mim, uma pessoa que só tem a beleza física a oferecer é como uma casa sem fundação, uma hora tudo desmorona. Quantas vezes você se sentiu atraído por alguém que não tinha aquele corpo escultural ou o rosto simetricamente perfeito mas que tinha um bom papo, uma cabeça aberta, com ideais e sonhos parecidos com os seus? Eu sempre.

Acho que até hoje tive um namorado que fosse considerado, pelos padrões da sociedade, fisicamente bonito. Pra mim, nada é mais gostoso do que sentar em uma mesa de bar, beber uma cerveja gelada e ver a conversa fluir por horas e horas. A beleza se torna totalmente secundária. Só que infelizmente, hoje em dia, as pessoas estão cada vez mais superficiais. A futilidade tomou o lugar do bom papo. As redes sociais tomaram o lugar dos bons livros. A preocupação em agradar a opinião alheia tomou lugar de querer ser uma pessoa interessante, simplesmente por ser, e não para aparecer.

Vejo isso no dia a dia, principalmente porque a internet nos abriu muitas portas, mas também alienou muitas pessoas. A internet, que era para ser uma ferramenta a nosso favor, se tornou um ciclo vicioso onde “vencem” pessoas que as usam para inflar seu próprio ego e naturalmente lucrar com isso. As redes sociais dão voz aos idiotas. Muita gente falando demais sobre assuntos que conhecem superficialmente. Muita gente preocupada em mostrar a vida cinematograficamente perfeita. Quase todos querendo agradar um mar de pessoas, na sua maior parte, anônimas.

Vejo meninas que ganham fama pelas belas selfies postadas. Não quero generalizar ou ser injusta, pois não as conheço pessoalmente, mas são elas mesmas que criam um exército de seguidores que acreditam que o importante da vida é a beleza, dinheiro e status. Tudo isso é maximizado e as coisas que deveriam ser formadoras de caráter são deixadas de lado. Todos se vestem, comem, falam e pensam da mesma forma e ninguém agrega nada de novo ou de útil.

O que eu gostaria mesmo? Eu gostaria de poder ver gente se sobressaindo pela inteligência. Pela curiosidade, generosidade, pela vontade de ser bem mais do que um rosto bonito numa capa de revista. Eu gostaria de poder dizer que, oito entre 10 das pessoas novas que conheço são assim, mas a dura realidade é que muitos estão envolvidos por esse novo mundinho de alienação. Corpos esculturais com mentes vazias é o mal do século.

Não me leve a mal, eu sei que é muito fácil ser engolido por esse mundo e acabar, até sem perceber, se tornando um deles. Eu mesma me vi sendo levada por essa onda por um tempo, mas foi aí que eu consegui distinguir as pessoas que lutam contra todo esse regresso, para se tornarem melhores versões de si, para se diferenciarem do que é considerado aceitável e padrão pela sociedade, mesmo que seus esforços não sejam reconhecidos ou exaltados publicamente. Pessoas que fazem essas coisas não para receber a aprovação alheia, e sim para o ganho da sabedoria e do crescimento pessoal. E quem não precisa disso? Todos nós temos espaço para crescer, sempre.

Eu sou como todos. Admiradora de coisas belas, mas na minha humilde opinião, o que realmente fica é o que te fazem sentir, e isso vai muito além do que os olhos podem ver.


ou simplesmente Nina é formada em Relações Públicas pela PUC Minas. Mineira de Sete Lagoas, mas atualmente vive nos EUA. Dona de um humor ácido e irônico também é um doce de pessoa. Temente à Deus, Nina também é apaixonada por futebol e carrega o Cruzeiro Esporte Clube no coração para aonde for. No blog ela colabora com crônicas pessoais que refletem seus valores e visão de vida.

3 on 3 (Produtos de beauté)

Se tem algo que amo experimentar são coisas novas. E quem não? Depois de livros, o que mais gosto e tenho prazer em passar horas escolhendo são produtos de beleza/cuidado com a pele/maquiagem. Quando tenho a oportunidade de ir à farmácias ou lojas de conveniência passo bastante tempo nas gôndolas de produtos de beleza. Fico olhando as novidades, avaliando os rótulos com as descrições dos produtos e seus benefícios e claro, analisando as embalagens.

Tudo bem que nenhum destes três produtos não são novidade para quem segue as bloggers de beleza, mas como eu adoro uma novidade e sempre que posso vou testar. Já tive a oportunidade de usar a água micelar de uma outra marca e que gostei muito. Se o produto realmente oferecer os benefícios que promete, devo sim trocar o bom e velho demaquilante por esta aguinha milagrosa. mas para saber só se eu fizer uso constante dela, coisa que ainda não fiz.

Outro produtinho que amo e há muitos anos esteve em minha lista de desejos é este batom da linha Matte da Maybelline. A cor é a 205, um tom de boca desses que eu amo e nunca canso de comprar. Como nunca tinha usado nenhum batom da marca ainda, posso dizer que este é um dos meus itens favoritos da marca, perdendo apenas para as bases que são maravilhosas.

O terceiro e último tem desta curta lista estão estes famosos cotonetes amigo de toda mulher que deseja ter uma ferramenta de limpeza e retoque na hora de consertar algo borrado na maquiagem. Já vi inúmeras vezes a Vic Ceridono do Dia de Beauté usando, amando e super recomendando este tipo específico de cotonete que é próprio para make. Como era muito difícil de encontrar por aqui, já que ela dizia sempre achar só na gringa, aproveitei pra comprar quando vi a marca Belliz que a gente encontra em farmácias daqui. Então decidi que era hora de experimentar e ver se estes cotonetes são isso tudo mesmo ou só mais uma variação de um produto comum.

Estes foram as minhas três aquisições do momento. Se você gostou das dicas ou conhece bem os produtos citados, me deixe um comentário falando um pouco do que achou que eu adorarei saber um pouco mais da opinião de vocês!

Jornalista, mineira de Belo Horizonte, 30 anos e apaixonada por cinema, livros, música e fotografia. Não sou de muita conversa, pois prefiro me expressar através de textos. Nascida na era da internet, blogo desde 2008. Para saber mais sobre minha história clique em Autora.